ESGANA

ESGANA

A Esgana é uma doença infecciosa que afecta principalmente cães. Foi descrita pela primeira vez em 1905 e é causada por um vírus da família dos paramixovirus. O vírus é revestido por uma fina capa, que é destruída pelo calor e pela luz e, apesar de não sobreviver muito tempo no meio ambiente, é muito resistente em zonas húmidas.

A  esgana é uma doença grave que pode levar à morte do animal. Qualquer animal não vacinado poder ser infectado, mas os cachorros com idades entre os 3 e os 18 meses são os mais susceptíveis. Contudo, o agrupamento de cachorros, mesmo já vacinados, pode levar ao aparecimento de surtos locais de esgana. O vírus pode ainda estar presente em animais aparentemente saudáveis, que não demonstram qualquer sintoma da doença. Nestes animais, factores como o stress podem provocar uma baixa de imunidade e levar à manifestação da doença.

Transmissão

A principal via de transmissão do vírus é por contacto directo entre os animais. No entanto, em ambientes muito húmidos, o vírus consiga passar pelo meio húmido infectando outros cães também por esta via. Um cão infectado constitui risco para os outros, pois ele vai libertar o vírus através de secreções do nariz, urina e respiração.

Sintomas

Na sua forma mais comum, a esgana apresenta três fases distintas relativamente à sintomatologia apresentada:

  • 1ª – fase respiratória, caracterizada por descargas oculares, nasais e tosse.
  • 2ª – fase digestiva, caracterizada por sintomas como anorexia, vómitos e diarreia, entre outros.
  • 3ª –  fase nervosa, caracterizada por tremores, contracções musculares involuntárias, salivação evidente (hipersiália), movimentos mandibulares, etc.

Em casos avançados da doença, o resultado final acaba por ser a morte do animal.

Prevenção

Uma vez que não existe tratamento específico para este vírus, o Médico Veterinário apenas pode actuar para aliviar os sintomas. Infelizmente, este tratamento sintomático nem sempre bem sucedido. Por estes motivos, a melhor arma contra a Esgana é a prevenção.

Hoje em dia existem vacinas eficazes que asseguram a protecção contra o vírus da Esgana em animais individuais. Contudo, o controlo da doença pode ser mais difícil em canis e lojas de comercialização de animais.

Em cachorros, a primeira vacina deve ser feita entre as 4 e as 6 semanas, sendo repetida passadas 3 semanas. Deve garantir-se que o cachorro está em fase de vacinação fraccionada até às 16 semanas, devido à possível interacção com os anticorpos maternos que neutralizam parte da vacina. Após esta vacinação fraccionada, a vacina deve ser repetida todos os anos (rappel anual). Em cachorros muito novos que têm de estar agrupados, a vacina deve ser administrada logo às 4 semanas.

Deve evitar-se o contacto de cães vacinados com cães não vacinados, e cumprir as regras básicas de higiene, evitando ambientes húmidos e abafados. Quando a esgana ocorre em canis, o cão doente deve ser imediatamente isolado e nesse canil não devem ser admitidos outros cães até um mês após a recuperação do último caso. Estes canis devem ser bem limpos e desinfectados (qualquer desinfectante mata o vírus no meio ambiente), e deixado vazio durante uma semana.