GIARDIOSE EM CÃES E GATOS: Um Parasita Transmissível ao Homem

GIARDIOSE EM CÃES E GATOS: Um Parasita Transmissível ao Homem

A Giardia é um protozoário (organismo unicelular), cuja forma activa – o trofozoíto – se encontra aderida às células da mucosa do intestino dos mamíferos. Existem varias espécies de Giardias, algumas pouco patogénicas, outras podem provocar alterações graves e podem mesmo afectar o Homem.

O sintoma fundamental caracteriza-se por uma diarreia, mais ou menos grave, e irritação duodenal com aumento da produção de muco.

Na actualidade, Giardia é o parasita intestinal mais habitual tanto no cão e gato, e também no Homem.

Ciclo de vida e transmissão da doença

Este parasita tem um ciclo evolutivo directo, transmitindo-se directamente de um animal para outro – incluindo para o Homem.

Nos intestinos, os trofozoítos apresentam morfologia de pêra com dois núcleos. O parasita forma quistos – a forma infectante – que são eliminados nas fezes para o exterior. O quisto pode sobreviver meses no meio ambiente, enquanto que o trofozoíto é frágil e raramente é eliminado com as fezes.

A forma de contágio é directa, via oral, através da ingestão destes quistos eliminados nas fezes. A contaminação ocorre quando um cão se lambe  ou lambe outro cão cujo corpo esteja conspurcado com fezes contaminadas.

A contaminação também pode ocorrer através da água de bebida ou alimentos que possam ter entrado em contacto com as fezes contaminadas. Esta última forma de contágio é a mais frequente no Homem. Após ingestão dos quistos, os parasitas (giardias) são libertadas no interior do novo hospedeiro, e assim recomeça um novo ciclo.

Factores de risco

Na sociedade actual, e devido à proximidade do homen com os animais domésticos, o nível de contágio tem vindo a crescer exponencialmente. Calculam-se cerca de 2.5 milhões de novos casos por ano nos EUA. Os mais atingidos são os bebés e crianças jovens, assim como pessoas imunodeprimidas. Estatísticas apontam que cerca de 14% dos cães adultos e cerca de 30% de cachorros estão infectados.

Situações de stress e má-nutrição são factores que podem dar lugar a que indivíduos portadores assintomáticos comecem a desenvolver sintomas. Está descrito que apenas 10 quistos podem provocar crises de diarreia no Homem.

Tratamento e prevenção

Para quebrar o ciclo do parasita no animal, e evitar assim uma possível infecção, é aconselhável desparasitar o seu animal duas vezes por ano. Entre as moléculas desparasitantes que se podem utilizar específicamente para este fim salientam-se o metronidazole, a furazolidona, o tinadazole, o febendazole e o albendazole.

A eficácia da desparasitação do animal deve ser confirmada através de testes de laboratório, tais como testes de Flutuação Fecal ou testes Coprológicos.

A melhor forma de evitar a doença é preveni-la.

A Giardose é um problema de Saúde Pública!